Follow by Email

domingo, 31 de maio de 2015

5 anos!

5 Anos de muita travessura.
Muitas descobertas, muito companheirismo.
É crescente meu orgulho pelo meu filho. Um carinha carinhoso, esperto, que adora esportes e a cada dia demonstra seu fascínio pelo brincar.
João Victor trás uma urgência em ser feliz, em aproveitar cada segundo do dia.
Tem um brilho no olhar, uma energia inesgotável, um riso fácil.
Impossível não se apaixonar a cada dia e ter vontade de protegê-lo deste mundo vil que está lá fora.
Filho meu, fruto do amor mais intenso que vivi, amo-te por tudo que és, mas principalmente pelo que me tornaste nestes cinco anos.





terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

Peter Pan perdido no Carnaval do RJ

 Como em todos os anos, nosso Carnaval foi intenso e amplamente dedicado ao João Victor.
Aproveitamos o feriado para nos dedicarmos as atividades de maior interesse do guri.
Fomos a praia, andamos de skate, brincamos e nos divertimos muito!
Curtimos dois bailinhos de Carnaval: Rei do Bacalhau e Bailinho do Fluminense FC.
Este último nos reservou uma surpresa maravilhosa: conseguimos uma foto com o Fred, grande ídolo da torcida tricolor.
No dia do bailinho do Fluminense, era dia de treino dos jogadores e aproveitamos para assistir um pouco do treino. No final, os jogadores atenderam a torcida e vieram cumprimentar a todos. João Victor ficou extremamente feliz com esta foto!





terça-feira, 22 de julho de 2014

Arte!

Jovi é um menino muito criativo e que se interessa muito por todos os artefatos do universo escolar.
Aproveito-me deste interesse e tento sempre estimulá-lo em sua criatividade e com isso desenvolver sua coordenação motora e sensibilidade.
Queria registrar este momento, pois ele é sempre vivido com muita alegria e descobertas. João Victor adora presentear seus queridos com desenhos, pinturas e com a escrita de seu nome - atividade que a cada semana é aprimorada.
Neste dia, compramos pincéis, tintas guache e avental para uso nestas atividades. Ele ficou tão, mas tão feliz que por horas concentrou-se nas criações artísticas.
Interessante, pois nestas últimas semanas, temos falado sobre planos futuros e pela primeira vez ele construiu o desejo da primeira profissão: Artista de Tinta!




quinta-feira, 3 de julho de 2014

"O cara"



Tem muito tempo que não apareço por aqui.
Não é falta de assunto ou de vontade de escrever. As vezes nos soterramos tanto com as tarefas do cotidiano que cometemos o terrível erro de não contemplar nossas alegrias.
Me tomei deste sentimento ao ver e rever por mil vezes esta foto:




Filho, você tem um sorriso tão gostoso, que mesmo se eu tapar sua boca, dá para ver seus olhos sorrirem!
Tenho um orgulho tão grande disso! Sua luz, sua alegria, sua docilidade... características que fazem de você este carinha bacana que encanta a todos.

Tou muito apaixonada por você filhote.
 

segunda-feira, 1 de julho de 2013

Eu vi!

Sem a coordenação de nenhum partido e nem emissora de televisão, vi jovens se organizarem pelas mídias sociais e exigirem um basta!
Milhões de pessoas foram as ruas em todos os estados.
A principal reivindicação era a redução do valor da passagem mas outros gritos se fizeram necessários: a queda da PEC 37, o repúdio à corrupção, a exigência de melhorias imediatas na saúde, educação e segurança. 
Lotamos as ruas, as mídias sociais e cada um a sua forma, buscou a revolução em um grito uníssono: QUEREMOS UM BRASIL MELHOR!

O grito não pôde ser contido e nem ignorado.
Veículos de informação de massa tentaram denegrir a motivação das manifestações mas tiveram que  respeitar e reconhecer o que estava acontecendo.
Ao contrário do FORA COLLOR (eu era criança ainda), desta vez eles não estavam no controle e agora, a comunicação não é mais ditada apenas pelo que eles transmitem.

Agora a população acordou e se deu conta do poder que tem.
Talvez, os jovens tenham se dado conta de que a globalização não serviu apenas para estimular o consumo voraz.
As mídias sociais tem um poder absurdo e a mobilização que ela possibilitou transformou a população de espectadora à protagonista de um dos movimentos mais lindos que já vi.

Lindo mas com outras facetas e cenários nem tão positivos.
Em determinado momento, a ausência de liderança política fez pesar a falta de diretriz do movimento.
Pressionados pela opinião popular, o aumento das passagens foi cancelado.
A PEC 37 foi cancelada.
Ações de vandalismo tomaram conta das cidades. Patrimônios públicos foram destruídos e a população começou a se questionar.
Em resposta, muita violência por parte do Estado.
Pessoas feridas, gás, spray de pimenta, cacetete, tiros de borracha pra cima da população indistintamente, colocando cidadãos e vândalos na mesma mira.

A pauta é clara: queremos um Brasil melhor mas ainda nos falta a consciência de classe!
Precisamos reunir todas pautas sociais e exigir mudança não apenas no tocante as nossas necessidades e sim ao que nos torna frágil e atrasado como sociedade.
Reunir a pauta dos negros, dos índios, da população em situação de rua, dos drogaditos, dos gays e até daquele policial que jogou spray de pimenta em uma jovem desarmada.

O que nos fragiliza é uma força tão hegemônica e perversa que mesmo implicitamente esmaga quem não se percebe oprimido.
Não basta querer um movimento anti partidário pois muitas vozes falando ao mesmo tempo torna a reivindicação inaudível.
Qual a pauta a ser apresentada? Quais são as propostas? Quem vai representar e ocupar mesa de negociação? Muitas perguntas sem respostas.....

Dizem que o gigante acordou. Talvez. Eu vi uma sociedade se questionar pela primeira vez e sair as ruas não para curtir o Carnaval mas para lutar por direitos.

Tudo isso em plena Copa das Confederações e com os olhares do mundo sobre o Brasil.
Vi a presidente ser vaiada na abertura da Copa.
Vi noticiários tendo que dar mais enfoque as manifestações do que a Copa.
Vi pessoas dizendo que recuperaram o orgulho de ser Brasileiro!
Vi o Tetra Campeonato do Brasil na Copa das Confederações.
Vi meu filho gritar GOL DO BRASIL e vibrar com a camisa da seleção.

Eu vi tudo isso e tenho certeza que tudo que vi, entrará para a história.